Bad Patch (1947) – A. Bertram Chandler | Resenha

Bad Patch é uma história curta escrita por A. Bertram Chandler (1912-1984), publicada na Astounding Science Fiction de janeiro de 1947. A narrativa centra-se em um experimento literário bastante interessante, na medida em que opera como uma boneca russa. A primeira camada textual é um romance que está sendo escrito, com grande dificuldade, pelo personagem de George Whitley, com o título de Pleasure Dome. E, na segunda camada, que é este texto propriamente dito, a experiência de contato e troca, experimentado por Capitão Dallon, comandante da Draco, no planeta de Loaslon.

Loaslon é habitada por Loaslians, uma espécie bastante intrigante que faz o leitor contemporâneo lembrar os Pau’na de Star Wars. Esta civilização, que nunca dominou a produção de máquinas ou embarcações, ambos componentes que parecem caracterizar a humanidade na narrativa, emana um ar bastante místico, e ao mesmo tempo traiçoeiro. Após um evento social, Dallon estava retornando a pé para sua embarcação quando é abordado por Lloral, um Loaslian comerciante. Ambos seguem até a Draco, onde passam a discutir sobre negócios. O nativo apresenta para o capitão terrano um pequeno objeto esférico, que o faz lembrar das bolas de cristais utilizadas pelos videntes na Terra.

Lloral explica que há mediums e clarividentes que usam estes objetos para adquirir um poder bastante impressionante: “Uma mente do tipo certo pode, com um destes instrumentos, alcançar o passado, observar todo o presente, e ainda ter uma percepção limitada do futuro mais provável”.  O capitão dispensa tal objeto como um mero embuste, que serve apenas para enganar. Mas o nativo insiste para que olhe para dentro da bola, e apesar de grande resistência por parte do terrano, isto acaba acontecendo. Neste momento, a consciência alienígena acessa George Whitley, bem como a narrativa que estava sendo escrita, é em torno desta experiência de intercomunicação que a história se centra.

Arte de Francis Goeltner.

É bastante característico do estilo narrativo de A. Bertram Chandler em apresentar viagens espaciais que se parecem, em muitos aspectos, com histórias no mar. O autor também explorou possibilidades de histórias alternativas, como em Kelly Country, de 1983, onde foca-se em uma Austrália que conseguiu sua independência da Inglaterra logo após àquela feita pelos norte-americanos.

Outro texto bastante interessante do autor é The Alternate Martians, de 1965, pautado em um cruzamento literário e estilístico de Edgar Rice Burroughs e H. G. Wells. O personagem mais importante criado pelo autor foi John Grimes, presente em um vasto arco de narrativas conhecidas como Rim Worlds, sendo que The Far Traveler (1977), To Keep the Ship (1978), Matilda’s Stepchildren (1979) e The Anarch Lords (1991) são as mais interessantes.

Por fim, para quem se interessa por uma ficção científica que parece servir de base para os desdobramentos posteriores da space opera, Bad Patch é um texto bastante interessante pois consegue fornecer ao seu leitor experiências de contato com a alteridade bastante intensas. O que, por sua vez, demonstra mais uma vez o potencial que o gênero tem em pensar em outros mundos, consciências e civilizações.

REFERÊNCIAS

CHANDLER, A. Bertram. Bad Patch. In: CAMPBELL, JOHN W. JR. (Org.). Astounding Science Fiction. United States: Penny Publications, 1947.

D’AMMASSA, Don. Encyclopedia of Science Fiction. New York: Facts on File Inc., 2005.

Willian Perpétuo Busch

Pesquisador de Ficção Científica. Mestre em Antropologia (UFPR). Bacharel e licenciado em Filosofia (UFPR), e atualmente cursa História, Memória e Imagem (UFPR).

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: