Dossiê Doctor Who | O Segundo Doctor

Para dar continuidade à série, os produtores de Doctor Who desenvolveram o conceito de “regeneração”, que é explicado neste texto, enquanto apresenta-se a segunda encarnação do Doctor, vivido por Patrick Troughton. Contém spoilers.

A Era Hartnell

Durante um período de três anos (1963 – 1966), o ator William Hartnell permaneceu no posto de Doctor atuando em quatro temporadas (Into The Vortex, Flight Through Eternity, Turbulence e Wearing A Bit Thin) e diversos eventos importantes ocorreram no universo da série. Chamados de companions pelos fãs, os companheiros Susan, Ian e Barbara foram substituídos por novos viajantes conforme o avançar da história.

Na segunda temporada, Vicki (Maureen O’Brien) torna-se mais uma companion do Doctor quando ele a resgata de seu planeta chamado Dido no século XXV. Outro companion que embarca nas aventuras desta temporada é Steve Taylor (Peter Purves), um piloto do futuro que conhece o Doctor no planeta Mechanus. Já na terceira temporada novos companions são apresentados, como Katarina (Adrianne Hill), Sara Kingdom (Jean Marsh), Dorothea Dodo Chaplet (Anneke Will) e Ben Jackson (Michael Craze) que continuou na quarta temporada.

Episódios Perdidos

Em 1966, contendo apenas dois episódios, a quarta temporada trazia o fim da Era Hartnell. O último arco, intitulado The Tenth Planet, faz parte dos episódios perdidos da BBC. E entre os anos de 1960 e 1970, o canal, devido a razões financeiras e de espaço para armazenamento, destruiu os materiais gravados da série. Deixando cerca de 26 arcos incompletos, dos 253 episódios dos seis anos iniciais de Doctor Who, algo em torno de 97 foram perdidos. Alguns foram recuperados pelos canais que transmitiram o programa em outros países. Não só por outros canais foi possível recuperar episódios, mas graças à reconstrução com telesnaps feita por fãs da época. Um exemplo é a cena da regeneração do primeiro Doctor, que pode ser salva e hoje está quase intacta.

O canal também lançou uma animação do arco The Tenth Planet que foi lançado em DVD em 2013 e que ficou à cargo da empresa Planet 55 reconstruir o episódio usando o áudio original e fotos para animar os rostos dos atores. Joshua Campbell da Planet 55, ficou a cargo da concepção de ideias e design dos personagens, além da edição, cores, storyboards e as animações. Veja a seguir, a cena animada de regeneração do Primeiro Doctor:

Primeira regeneração

Como já citado em Dossiê Doctor Who | O Primeiro Doctor, devido à saúde de Hartnell que estava piorando, foi necessário introduzir o conceito de regeneração para dar continuação ao programa. Na história do arco final de Hartnell – The Tenth Planet – a TARDIS pousa no Pólo Sul em uma estação de rastreamento chamada Snowcap no ano de 1986. O Doctor e os companions Polly (Anneke Wills) e Ben, queriam chegar a tempo de observar a chegada do planeta Mondas (que é muito semelhante à Terra) ao nosso Sistema Solar. Nesse arco houve a primeira aparição dos Cybermen como inimigos do Doctor, são famosos até hoje. Os Cybermen são humanos que possuem integrado ao seu tecido vivo, diversos anexos cibernéticos e suas emoções são inibidas. Mondas começa a drenar a energia da Terra e os Cybermen começam a invadir a estação enquanto o Doctor, Polly e Ben precisam interromper o processo, senão o resultado será a humanidade transformada em diversos Cybermen. Segundo a história deste arco, o Doctor precisou se regenerar porque já estava muito fraco e, devido aos Cyberman, ele se desgastou ainda mais. A cena do processo da regeneração é simples, rápida e com uma luz branca preenchendo a tela, como se fosse um clarão representando o fim do primeiro Doctor para um novo corpo.

O Doctor de Patrick Troughton

Patrick Troughton como doctor

Troughton começou sua carreira com um papel pequeno no filme Escape de 1948 do diretor Joseph L. Mankiewicz (o mesmo de Cleópatra), que também contava com a presença de William Hartnell no papel do Inspetor Harris. Além de participações em séries para a televisão como Robin Hood (1953), Troughton atuou em diversos telefilmes inspirados na obra de Shakespeare. Destacam-se em sua filmografia O Fantasma da Ópera (1962), A Profecia (1976) e Olho do Tigre (1977).

O nome de Troughton foi sugerido para o papel em Doctor Who, por William Hartnell. Sydney Newman, o idealizador da série, queria que o novo Doctor fosse mais brincalhão, leve e um pouco cartunesco. Enquanto o Doctor de Hartnell era como um avô para os companions, vemos o Doctor de Patrick Troughton na posição de um tio, que evade e ilude seus inimigos com um tom cômico.

Elementos no figurino do Segundo Doctor que ganham destaque são os chapéus peculiares, a gravata borboleta e o uso de calças largas. Vale destacar que as gravatas borboletas foram homenageadas e referenciadas pelo 11º Doctor interpretado pelo ator Matt Smith na Série Nova. Fazendo parte de seu figurino, o 11º Doctor também usava o bordão “Gravatas borboletas são legais!” (em inglês: Bow ties are cool!). Mesmo com uma personalidade totalmente diferente, Doctor de Troughton possuía as memórias do primeiro Doctor.

Companions

As companhias de viagens do Doctor podem ser humanos (do passado, presente ou futuro), vir de qualquer lugar do Universo e variam de raça, espécie, idade, gênero, etc. Com o Segundo Doctor,  tivemos Polly (Anneke Wills) uma jovem secretária de Londres que em 1966 conheceu o Doctor no episódio The War Machines e Ben Jackson (Michael Craze), um marinheiro que se torna amigo do Doctor durante o ataque do computador WOTAN, também no episódio The War Machines. Polly e Ben, mesmo com as desconfianças iniciais com o novo Doctor, viajaram pelo espaço-tempo e em 1746 conheceram Jamie McCrimmon (Frazer Hines) que se juntou ao trio. Mas, Polly não queriam mais acompanhar o Doctor nas viagens e decidiram ficar na Terra no ano de 1966. Vale citar outros companions como Victoria Waterfield (Deborah Watling) e Zoe Heriot (Wendy Padbury).

A Quarta Temporada: Renewal

 Patrick Troughton foi o rosto do Segundo Doctor durante os anos de 1966 à 1969. Veja a seguir os títulos dos arcos da quarta temporada de 1966 e a quantidade de episódios:

  • Power of the Daleks (seis episódios)
  • The Hidhlanders (quatro episódios)
  • The Underwater Menace (quatro episódios)
  • The Moonbase (quatro episódios)
  • The Macra Terror (quatro episódios)
  • The Faceless Ones (seis episódios)
  • The Evil of the Daleks (sete episódios)

O conceito de regeneração acabou sendo um sucesso e o protagonista foi garantido. Antes com mais elementos da história da humanidade com o objetivo de ser algo como um show com fundo educacional, com o Segundo Doctor o foco para conteúdos de ficção científica foram mais explorados. Pode-se perceber isto no arco de número 30. Intitulado Power of the Daleks foi a primeira aventura do Segundo Doctor, dirigido por Christopher Barry e com roteiros escritos por David Whitaker e Dennis Spooner. Os companions Ben e Polly acompanham o Doctor desconfiando que ele seja o mesmo indivíduo que eles conheceram anteriormente. A TARDIS pousa em uma colônia da Terra no planeta Vulcan e por lá, o cientista Lesterson descobriu a existência de uma cápsula espacial quebrada que possuía três Daleks inertes. O cientista então tem a ideia de acordá-los, com a intenção de torná-los parte da colônia e, mesmo com os avisos do Doctor, Lesterson segue em frente. Os Daleks acordam e decidem assumir o controle e transformar os colonos em seus servos. Todos os episódios deste arco foram perdidos, mas Power of the Daleks ganhou uma versão reconstruída, animada e em cores. Toda a exibição do arco teve uma audiência de aproximadamente 7,8 milhões de telespectadores!

Patrick Troughton como doctor

O interessante é que Doctor Who usou o nome Vulcan para um planeta e esse nome só foi adotado na série Star Trek dois meses depois da exibição de Power of the Daleks, sendo o nome do planeta nativo do personagem Spock. Os Daleks também aparecem nesta temporada no último arco chamado The Evil of the Daleks, dirigido por Darek Martinus e escrito por David Whitaker. Garry Davis e Kit Pedler desenvolveram os Cybermen inimigos muito populares, apenas sendo superados pelos Daleks. No arco The Moonbase escrito por Kit Pedler e dirigido por Morris Barry, os Cybermen possuem uma versão melhorada em relação ao visual. Na história de The Moonbase, a TARDIS pousa em uma estação de controle climático na Lua. O ano é 2070 e os integrantes da equipe na estação estão sofrendo com uma epidemia disseminada pelos Cybermen.

Quinta Temporada: Monstrous Encounters

  •  The Tomb of the Cybermen (quatro episódios)
  • The Abominable Snowmen (seis episódios)
  • The Ice Warriors (seis episódios)
  • Enemy of the World (seis episódios)
  • The Web of Fear (seis episódios)
  • Fury from the Deep (seis episódios)
  • The Wheel In Space (seis episódios)

Essa temporada é famosa por apresentar em todos os arcos algum monstro, por isso também ficou conhecida como o Ano dos Monstros. Gerry Davis e Innes Lloyd apresentaram nesse novo formato, monstros como o Yeti, Ice Warriors, os Cybermen e Weed.

Sexta Temporada: Running Out Of Time

  •  The Dominators (cinco episódios)
  • The Mind Robber (cinco episódios)
  • The Invasion (oito episódios)
  • The Krotons (quatro episódios)
  • The Seeds of Death (seis episódios)
  • The Space Pirates (seis episódios)
  • The War Games (dez episódios)

Imagem BBC: The War Games

Na sexta temporada houve uma maior variação em termos de roteiro e qualidade, renovando a fórmula das histórias. Os três primeiros arcos (The Invasion, The Krotons e The Seeds of Death) apresentam histórias como contos dos monstros tradicionais. Nessa época a série passava por um período conturbado em relação aos gastos financeiros e, por decisão econômica, a produção preferiu prolongar os arcos para evitar muitas histórias com número alto de fantasias e cenários. Um exemplo disso, é o arco The War Games que durou dez episódios e fechou a última temporada de participação de Troughton.

Patrick Troughton interpretou um Doctor astuto, inteligente, engraçado, espontâneo e que foi o primeiro a usar uma Chave de Fenda Sônica (Sonic Screwdriver). Na hora de enfrentar algum problema ou se concentrar em momentos muito difíceis, o Doctor carregava um gravador. Infelizmente, em 28 de março de 1987 o ator morreu de infarto com 67 anos e assim como Hartnell, deixou amplo legado no papel de Doctor.

REFERÊNCIAS

Episódios Perdidos | Quarta temporada Série Clássica – BBCUniverso Who – Arco 30Shannon SullivanProject TorchwoodOmelete Planet 55

Julia Brazolim dos Santos

Técnica em Informática. Leitora assídua dos mais diversos gêneros literários e fanática pela série Doctor Who.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: