Backup online: como usar a nuvem? | Dicas

Opções de backup offline

Quem nunca passou pelo sufoco de o software ou o computador travarem bem no meio daquele trabalho hiper importante, que você tinha esquecido de salvar, que atire a primeira pedra. É comum que salvemos várias coisas no HD do computador e deixe apenas as mais importantes em um pen drive ou outro tipo de backup. Até que, em um dia fatídico, o HD do computador pare de funcionar e a gente perca todos os nossos arquivos.

Principalmente para quem não nasceu nos anos 2000 e existe desde a época dos diskets, é que haja o esquecimento de fazer um backup confiável de todos os arquivos. Isto porque, no início do acesso ao computador, os diskets – única forma de backup disponível – cabiam apenas 1,44Mb cada, o que era insuficiente para guardar as coisas necessárias. Com o desenvolvimento da tecnologia, as fotos e documentos importantes passaram a ser salvos em CDs. Atire a primeira pedra quem não tem um monte de CDs guardados, cheio de arquivos, sem nem saber qual a ordem ou pra que tais arquivos foram importantes algum dia.

Depois do CD veio a grande facilidade dos pendrives. Inicialmente com pouco armazenamento, hoje em dia eles chegam a 100Gb com facilidade. Somando a capacidade de armazenamento com o fato de que, ao contrário dos CDs, é possível deletar os arquivos quando eles não são mais necessários e substituí-los por novos, essa tecnologia logo se tornou dominante. Os pendrives ainda têm a facilidade de serem pequenos e, atualmente, terem preço acessível.

Para quem precisa de ainda mais espaço, há a possibilidade de adquirir HDs externos. Da mesma forma que um HD para computador, este pode chegar a ter 1Tb de capacidade de armazenamento, o que equivale a 1000Gb, ou seja: cabe muita coisa. Os HDs externos também estão cada vez mais acessíveis e sua grande vantagem é o funcionamento offline, além, é claro, da imensa capacidade de armazenamento. Assim como os pendrives, eles podem ser facilmente transportados. Entretanto, como são HDs, são mais sensíveis a quedas e necessitam ficar longe de Sol e da poeira.

Mas, vamos lá: fazer esses backups manuais exige um planejamento prévio. Se você preferir este tipo de segurança aos seus arquivos, a sugestão é que coloque “realizar backup” como um compromisso semanal fixo. Por exemplo, “todo sábado, às 10h, eu realizo meu backup”. Isto é importante, justamente, para evitar que você perca todos os seus arquivos caso o seu computador pife de uma hora para outra.

Ainda assim, convenhamos, corre-se o risco de que o computador pife antes do dia do backup e, assim, os arquivos que você possua estejam desatualizados ou incompletos. Para evitar este tipo de acontecimento e realizar um backup contínuo, a tecnologia se desenvolveu o suficiente para que criassem o armazenamento na nuvem!

O que é nuvem?

Nuvem é a forma pelo qual são chamados os grandes ficheiros virtuais de arquivos computacionais. Quando diz-se que determinado arquivo “está na nuvem” significa que ele não está ocupando um lugar físico no seu computador, celular ou tablet. Ele está ocupando um local virtual, em um espaço virtual, chamado de nuvem.

O nome funciona como uma analogia. As nuvens do céu são água em estado de vapor. Ou seja, quando a água está nas nuvens, não podemos vê-la ou utilizá-la, mas sabemos que ela está lá e que, eventualmente, vai chover e ela vai poder ser utilizada. Enquanto está na nuvem, a água está ocupando um local virtual, ao invés de ocupar um local físico e palpável como quando ela está nas nossas caixas de água.

O mesmo acontece com os arquivos. Eles ficam lá na nuvem, acessíveis apenas quando a gente tem vontade. Sem ocupar espaço dos nossos hardwares. De forma organizada e com possibilidade de atualização e sincronização contínua, o que evita que a temida pane no sistema faça com que a gente perca todas as nossas preciosidades virtuais.

Como posso usar a nuvem?

Para armazenar suas coisas na nuvem, é necessário, primeiramente, ter uma conta em algum servidor. Os mais populares são o Google Drive, Dropbox, OneDrive, iCloud e, o meu preferido, pCloud Drive. Estes serviços são inicialmente gratuitos, exigindo apenas um cadastro prévio. Entretanto, eles possuem versões premium, que possibilitam ainda mais espaço de armazenamento na nuvem.

Veja bem: apesar de não ocupar espaço no seu computador, os arquivos ocupam espaço neste servidor da nuvem. Por isso, é necessário ficar de olho na quantidade de espaço cada um deles provê e pensar no quanto você precisa. Essa é a melhor foram de escolher o servidor ideal para o seu perfil de usuário.

Uma vez que você tenha acesso a um destes servidores, é possível colocar os seus arquivos mais importantes neles. Assim, em qualquer lugar do mundo e em qualquer computador, celular ou tablet, quando você acessar sua conta no servidor, poderá ter acesso aos seus arquivos. Parece magia, mas é tecnologia.

Para tornar as coisas ainda mais bacanas, é possível fazer download da versão desktop destes servidores e salvar seus arquivos diretamente nelas. Isso significa que, quando você está escrevendo um texto, fecha a janela, e o software pergunta “deseja salvar o arquivo” e você aperta que sim, o seu arquivo estará automaticamente salvo na nuvem. Assim sendo, quando a internet do seu dispositivo está ligada, seu servidor sincroniza seus arquivos, mantendo-os sempre atualizados e acessíveis onde você estiver.

Com estas facilidades, fica muito mais difícil de perder os nossos arquivos e fotos e muito mais fácil de economizar espaço nos nossos dispositivos, deixando-o livre para mais programas e aplicativos. Outro ponto bacana de armazenar as coisas na nuvem é que, quanto menos coisas estiverem salvas no seu dispositivo, menor a possibilidade de ele ficar lento com o tempo. Por conta disso, uma dica bastante importante é manter o seu dispositivo sempre limpo de arquivos que não estejam mais sendo úteis. E, quando dizemos “limpos”, significa limpar a lixeira também. Dessa forma, você aumenta a vida útil dos seus dispositivos, diminuindo o risco de panes e aumentando a segurança dos seus arquivos.

Sugestões

Já falamos sobre o Dropbox, Google Drive e OneDrive com detalhes neste outro texto. Por isso, é importante demarcar que recomendamos todos eles como possibilidade de sincronização contínua na nuvem. Reiteramos que, para ser mais eficaz, é necessária a instalação da versão desktop dos softwares.

De novidade, apresentamos o PCloud Drive, pouco conhecido entre o público brasileiro. O software, de origem sueca, é um servidor de armazenamento na nuvem com as mesmas funcionalidades de todos os outros. O grande diferencial é a capacidade de armazenamento na versão gratuita. Já de início, o usuário tem direito a 20Gb de espaço. Enquanto o Google Drive oferta 15Gb e o Dropbox oferece 2Gb (com possibilidade de expansão para indicações de uso ao software).

A versão desktop do PCloud tem as mesmas funcionalidades que os concorrentes, o que garante segurança e praticidade ao usuário.

Mayra Sousa Resende

Cursa mestrado em Informática e Antropologia, ambos na UFPR e pós-graduação, a nível de especialização, em Mídias Digitais, na Universidade Positivo. É graduada bacharela em Ciências Sociais pela UFPR, com foco em Antropologia e Arqueologia.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: